terça-feira, 18 de agosto de 2009

Quem é de cor aqui?

Hoje foi o 1º dia do CONARH. Para quem não conhece, trata-se do Congresso Nacional sobre Gestão de Pessoas, que acontece há 35 anos na cidade de São Paulo e envolve tanto profissionais, quanto fornecedores de Recursos Humanos (todo este pessoal sempre que estar lá para saber as tendências e novidades da área, além de fazer contatos).

Porém o propósito deste post não é falar sobre o congresso que, para variar, não diferencia muito dos outros: stands, brindes, troca de cartões e claro, palestras.

Hoje tive oportunidade de assistir duas, mas quero me atentar somente a uma delas, ministrada pelo Prof. Mario Sérgio Cortella (filósofo e professor da PUC – SP, Fundação Dom Cabral e FGV). Ele é extremamente humilde, culto, objetivo e pontualíssimo. Já havia prestigiado-o outras duas vezes, em palestras realizadas na empresa onde trabalho, mas desta vez ele se superou.

Poderia passar o dia escrevendo um post gigantesco sobre o quanto seu discurso foi tocante, mas vou compartilhar apenas uma pequena história, que desbanca qualquer tipo de preconceituoso.

Ele contou que certa vez estava na sala dos professores tomando um café e uma pessoa da faculdade, que ainda não o conhecia, entrou procurando-o. Perguntou para a secretária quem era o Prof. Cortella e prontamente ouviu a resposta:

- É aquele que está ao lado daquele homem de cor.

O homem de cor era outro professor, negro, que não deixou a situação passar batida e argumentou:

- Vamos pensar um pouco: quando eu nasci, eu era negro; quando eu cresci, eu me conservei negro; quando eu vou à praia, eu permaneço negro; quando eu adoeço, eu continuo negro; quando eu estou com raiva, eu fico negro; quando eu morrer, eu serei negro.

A esta altura a secretária já estava extremamente envergonhada. Mas ele continuou, se direcionando a ela:

- Agora veja que contraditório: quando você nasceu, você era rosada; quando você cresceu, você ficou branca; quando você vai à praia, você fica vermelha; quando você adoece, você fica amarela; quando você está com raiva, passa para roxa; quando você morrer, você será cinza. Portanto, quem é de cor aqui?

Para bom entendedor, isso já basta!

E só por causa dessa palestra já valeu a pena pegar trânsito, chuva e chegar super tarde em casa!

Para quem nunca teve oportunidade de conhecer o trabalho do Prof. Cortella, fica a dica do seu mais novo livro “Qual é a tua obra?”. Eu fui presenteada com um exemplar autografado por ele... Não tem preço!

2 comentários:

Row51 disse...

Belíssimo texto, Fê !

Rosi disse...

Fernandinha tá toda prosa, heim?!
Vi o anúncio do Conarh, fui em algumas edições e fiquei com vontade de ir nessa também.
A respeito do palestrante, infelizmente não conheço, mas vou pesquisar sobre esse livro. Valeu pela dica.
Bjs

Ah, o que ele falou sobre ser de cor, é uma velha piada anti preconceito.